Harambee na Primeira Liga do campeonato de futebol italiano

A equipa de árbitros da Primeira Liga de Futebol italiano esteve solidária com Harambee, ao entrar em campo, nos diversos jogos, envergando camisolas com o logótipo da associação. Tudo aconteceu na 30ª jornada do campeonato que se realizou no fim de semana de 19 e 20 de Março. Em todas as partidas as respetivas equipas de arbitragem usaram camisolas Harambee, enquanto no publico vários voluntários seguravam faixas apelando ao contributo de todos.

Anúncios

Harambee na RTP África

Maria José Figueiredo e Cátia Guerreiro, da direção da Associação Harambee, foram à RTP África esclarecer  o que é a Associação e também explicar O VIVEIRO – o projeto que Harambee quer financiar em Moçambique.

Ver a entrevista AQUI 

OS PROTAGONISTAS DO PROJETO «O VIVEIRO»

Rosa Chambuera (na fotografia, à direita, trabalhando o vime) será uma das formadoras juniores do projeto que HARAMBEE ÁFRICA PORTUGAL quer financiar em Tete, Moçambique.

Rosa tem 17 anos e, quando foi viver para O VIVEIRO, era uma menina que apenas tinha feito a instrução primária, que falava mal português, a quem tinha sido cortada uma perna devido a uma infeção, e cujas perspetivas de futuro eram extremamente limitadas, para não dizer lúgubres.

N’O VIVEIRO, foi incentivada a prosseguir a sua instrução, aprendeu um ofício, e está agora em condições de ser formadora de outros jovens, a quem pode dar novas perspetivas de vida.

Eis o seu testemunho:

grupo tapeçaria

“O meu sonho é continuar a estudar até 12ª e ao mesmo tempo abrir uma loja de tapeçaria em Chitima, perto da casa da minha mãe.
Eu aprendi tapeçaria em 2014 com a sra Jean Mizimbe, formadora do Malawi.
Em 2015 participei numa feira de artesanato no Distrito de Chifunde e cheguei em primeiro lugar. Depois participei numa feira provincial e a seguir numa nacional, em Inhambane.
As pessoas gostaram muito da minha produção e todos os objectos foram vendidos.
Eu gostaria que a minha loja fosse também uma escola para outros jovens, que querem aprender tapeçaria. Eu já posso dar aulas e orientar o trabalho dos outros.
Cada curso de tapeçaria contará com 10 jovens (rapazes e raparigas) da comunidade.
Para desenvolver esta actividade será preciso ter um carpinteiro que possa realizar a estrutura de madeira dos móveis.
O dinheiro que vai entrar pode servir para desenvolver a actividade, não só em Chitima, mas também a nível do Distrito e da Província.
Eu queria também reabilitar a casa da minha mãe e acolher, com o andar do tempo, meninas e meninos necessitados.”

PROJETO HARAMBEE ÁFRICA PORTUGAL 2016-2017: FORMAÇÃO PROFISSIONAL EM TETE, MOÇAMBIQUE

grupo costura

O VIVEIRO é uma instituição sedeada em Chitima, na província de Tete, Moçambique, que tem como objetivo apoiar e formar jovens órfãs e/ou em situação de grave pobreza, a fim de as tornar profissional e economicamente independentes.

Constituído em 2008, O VIVEIRO conta com um espaço de 5 he, com casas de acolhimento permanente, salas de estudo, e equipamentos destinados à formação profissional. Atualmente, vivem nO VIVEIRO 20 raparigas, com idades entre os 10 e os 18 anos, que frequentam as escolas das proximidades, e que na instituição recebem, para além de alojamento e alimentação, apoio no estudo e formação profissional numa atividade à sua escolha, que poderá vir a ser a sua profissão: costura, tapeçaria, desenho e serigrafia, artesanato (carpintaria, cestaria, acessórios de moda), culinária, agricultura e pecuária.

Destes ateliês de formação profissional, estão a sair os primeiros produtos comerciais, dando início ao processo de transformação de O VIVEIRO, de uma instituição subsidiada, numa instituição capaz de gerar proventos próprios e, futuramente, de se autofinanciar.

Desta formação estão a sair também as primeiras formadoras juniores, raparigas que, contando com o apoio de um formador sénior, podem começar a transmitir o que aprenderam aos jovens das aldeias das redondezas, capacitando-os profissionalmente e ajudando o quebrar o ciclo da miséria e do abandono.

O objectivo é a constituição de quatro ateliês de formação profissional de costura, serigrafia, artesanato e culinária.

Ver mais pormenores em PROJECTOS EM CURSO

grupo cozinha

Um projeto Harambee em Moçambique

Em 2016, HARAMBEE ÁFRICA PORTUGAL quer concretizar o desejo de apoiar projetos em língua portuguesa.

Para isso, está em contacto com várias instituições que desenvolvem trabalho na África lusófona, a fim de constituir um ou dois projetos a que os amigos portugueses de HARAMBEE queiram ajudar a dar um empurrão.

Uma dessas instituições é O VIVEIRO, uma ONG que opera há vários anos em Tete, no norte de Moçambique. Enquanto se constitui o projeto, aqui fica já uma mostra do trabalho desta associação em prole das populações.

O VIVEIRO – Educar uma menina para educar um povo nasceu da necessidade expressa pelo padre Eusebio Maria Inocêncio (sacerdote moçambicano da Diocese de Tete) de responder à situação de emergência existente na província de Tete ao nível da formação, nomeadamente da população feminina, e relacionada principalmente com:
a presença de um elevado número de órfãos;
a existência de uma taxa muito elevada de analfabetismo feminino;
a entrada tardia das meninas no sistema escolar e o grande número de desistências;
a incapacidade da maioria das famílias de mandarem as filhas para a escola por razões económicas;
a inexistência de uma rede escolar adequada em várias zonas do território;
o desconhecimento do Português, que é a língua oficial da formação escolar;
a falta de formação no campo higiénico-sanitário, de nutrição e de economia doméstica;
a insuficiente formação nos valores de base (humana, moral, civil e ética);
o elevado número de gravidezes e casamentos prematuros;
a entrega, logo na adolescência atividades remuneradas moralmente inaceitáveis.

O projeto centra-se no desenvolvimento das mulheres, reconhecendo que elas são a verdadeira raiz da sociedade, especialmente em situações de extrema pobreza: elas são o coração da família, que é o primeiro e mais importante grupo de agregação humana. Incentivar a formação e desenvolvimento da mulher desde a mais tenra idade significa promover toda a sociedade de forma equilibrada.