concluído o projeto kulikuassa

Depois de muitos percalços, que incluíram vários meses de paragem forçada devido à pandemia por Covid19, pela qual Angola foi tão afetada como os restantes países, graças ao empenho, à generosidade e à coragem de todos os envolvidos, foi finalmente possível levar até ao fim o projeto Kulikuassa, na Lunda Sul, nordeste de Angola!

As participantes no projeto mostraram-se muito satisfeitas com os resultados obtidos, que as ajudarão a melhorar o seu dia a dia e a situação dos seus filhos.

Num país onde as condições de vida ainda estão longe de ser as ideais, aprender a ler, escrever e contar é um passo muito significativo no crescimento pessoal e no desenvolvimento profissional.

Embora com diferentes graus de aproveitamento, como seria de esperar num ano tão atribulado, as 77 formandas que chegaram ao fim do curso foram, na sua maioria, dadas como aptas.

Trata-se de uma taxa de aproveitamento muito elevada, que só foi possível com o esforço investido pelos formadores na recuperação das formandas com mais dificuldades.

HARAMBBE ÁFRICA PORTUGAL despendeu neste projeto um total de 5800,00 euros; este valor foi gasto nos salários dos quatro professores e do coordenador do projeto, em abundante material didático e também, como seria de esperar, em algum material de proteção contra a pandemia.

A quantia referida proveio exclusivamente dos donativos e das diversas contribuições dos amigos de HARAMBEE ÁFRICA PORTUGAL e de todos quantos têm vontade de trabalhar de braço dado com os africanos para tornar melhor a vida de todos.

Por mais este sucesso, um grande obrigada a todos os que nele empenharam com generosidade!

HARAMBEE – TODOS JUNTOS!

EM CABO VERDE, O ESTUDO CONTINUA

O projeto Surisu na Rôstu prossegue em Cabo Verde, a despeito de todas as dificuldades resultantes da pandemia, e tomadas todas as precauções para evitar a propagação do vírus.

Os pais das crianças mostram-se muito satisfeitos com os resultados obtidos, não só porque os filhos permanecem ocupados nos períodos em que não estão na escola, mas principalmente porque o aproveitamento escolar tem melhorado bastante.

O financiamento deste projeto prossegue, conforme previsto, até ao final deste ano letivo.